Fontana di Trevi


 Conhecer Roma foi um dos presentes que ganhei em 2011. Eu sempre tive aquela admiração pela Itália, sempre tive vontade de aprender a falar italiano (é a próxima língua que irei aprender, depois de me certificar de que realmente aprendi o alemão), e sempre achei as cidades italianas um luxo. Portanto, ao desembarcar no aeroporto Fiumicino, em Roma, e ver anúncios em italiano, bandeiras da Itália e fotos da cidade, entrei em estado de êxtase. Era algo tão inacreditável que a ficha custou a cair.

 Saímos do aeroporto e já avistamos vários ônibus da cia. aérea Alitalia, que levam os passageiros ao centro de Roma. Porém preferimos fazer o trajeto com ônibus de turismo que fazem o mesmo percurso por um preço mais camarada. Os dois deixam os passageiros em frente à estação central de Roma, que ficava já próximo ao nosso hotel. Foi a conta de deixarmos as malas em nosso quarto e já irmos passear.

 Antes de começarmos mesmo o tour pela cidade, almoçamos em um restaurante típico italiano, e comemos macarronada, é claro! Eu precisava muito comer comida típica italiana para consolidar ainda mais meu sentimento prazeroso de estar visitando a capital do país. E aí sim, logo após, fomos passear pela cidade.

 Estávamos caminhando e observando cada rua, cada estátua secular, cada beco e construção antiga, tirando fotos e imaginando como tudo já havia sobrevivido a anos e anos de história. E assim fomos seguindo, até que caímos no cruzamento de 3 ruas, e no centro desse cruzamento estava nada mais nada menos do que a Fontana di Trevi.

 Tiago tinha plena noção de que estávamos indo para lá, já que era sua segunda vez em Roma, mas ele não quis me contar nada justamente para ver a minha reação. Eu simplesmente não acreditei quando vi a Fontana di Trevi bem na minha frente, com todo o seu tamanho e autoridade, sua beleza, o barulho tão alto de suas águas e a quantidade de turistas tão admirados quanto você à sua volta. A todo momento vemos fotos da Fontana di Trevi em revistas e sites, mas acredite, é muito diferente quando a vemos ao vivo. Parece ter alguma magia nela que te deixa hipnotizado, que faz com que o visitante não consiga parar de olhá-la. Eu fiquei um bom tempo em silêncio, imóvel, observando cada detalhe, como se mais nada nem ninguém existisse no mundo. É impressionante como, há tanto tempo, foi possível construir uma obra de tamanha perfeição, com métodos ainda tão arcaicos. Acho que esse tipo de pensamento, inclusive, é o que mais intriga quem está cara a cara com ela. 

 Após vários minutos processando a informação de que estávamos frente a frente com a maior fonte barroca da Itália, resolvemos tirar muitas fotos. E é aí que vem nossa primeira dica. Próximo à fonte, fica uma porção de indianos com máquinas polaroide a tiracolo. Eles ficam rondando os turistas que estão bastante distraídos com o monumento, e acabam se oferecendo a eles para tirar uma foto com as próprias máquinas desses visitantes. Após fazerem essa inesperada gentileza, eles pedem para tirar uma outra foto, porém, desta vez, com suas máquinas polaroide. Ainda meio confusos os turistas acabam aceitando, e após a fotografia ser tirada, eles cobram 20 euros por uma simples foto de máquina polaroide, que fica com a qualidade péssima. Isso aconteceu conosco, e achamos um absurdo seu oportunismo, já que acabam se aproveitando do momento para conseguir dinheiro de quem está visitando a cidade, distraidamente. Acabamos nos desvencilhando deles, mas esse momento de aborrecimento acabou sendo inevitável. Minha dica então é que, ao visitar a capital italiana, as pessoas se recusem a ter fotos tiradas por esses indianos. Não se trata de uma gentileza, mas sim de oportunismo para conseguirem do turista 20 euros por uma foto polaroide de péssima qualidade. 

 O que também pode-se fazer na Fontana di Trevi, além de admirá-la, e que é o que mais se vê por lá, é jogar, de costas para o monumento, uma moeda em suas águas cristalinas. Isso representa uma simpatia para que haja uma nova chance para o turista de voltar à Roma. É impressionante como o fundo da fonte fica coberto de moedas, que acabam sendo varridas de lá com frequência pelos funcionários da prefeitura. Esse dinheiro ajuda a manter a conservação da belíssima Fontana! E para aqueles que estão solteiros e querem arrumar um amor, basta jogar duas moedas em suas águas, também de costas, para assim encontrar sua alma gêmea ainda na cidade de Roma. Os deuses estão por lá, de olho. Quem sabe a simpatia não funciona mais rápido do que se espera? ;)

 Quando foi construída, em 1735, a Fontana di Trevi era "somente" a representação do fim de um arqueduto que levava águas límpidas e virginais para o povo romano. Hoje ela é muito mais, significando história, beleza, imponência e importância mundial, que já passou por séculos de existência, e será motivo de cada vez mais visitas ao longo de intermináveis gerações, todas ávidas por conhecer um monumento que não envelhece nunca.

 Visitem a Fontana di Trevi =)



Read Users' Comments (4)

4 Response to "Fontana di Trevi"

  1. Tiago, on 3 de dezembro de 2012 00:09 said:

    Excelente texto! Todas as pessoas deveriam fazer uma visita, é uma vista que engrandece qualquer viagem!

  2. Anônimo, on 3 de dezembro de 2012 21:02 said:

    Amei Roma... Quero mto voltar para curtir essa cidade linda com meu esposo :) Parabéns pela matéria! bjos Mariane BArbosa

  3. Anônimo, on 3 de dezembro de 2012 21:04 said:

    Roberta, só conhecia a primeira superstição rsrsrs Quer ver que foi por isso que eu arrumei um grande amor e ainda não retornei eheheheh joguei bem mais de duas moedas :) Meu amor veio rapidão! Bjos Mariane Barbosa

  4. Unknown, on 4 de dezembro de 2012 16:58 said:

    Que bom saber que pra você funcionou rapidinho, Mariane!!! Roma é mesmo encantada neh? Saímos de lá realmente abençoados e com a energia renovada!!

    Tiago, obrigada pelo comentário!!

    Beijos aos dois :*

Postar um comentário